Dedicado às mulheres inteiras e ativas de todas as idades, cores e formas. Mulheres que interagem e abraçam a vida como der, puder e vier.
Sempre desejadas!








Entrevista com Lia Rodrigues


Nossa entrevistada é a coreógrafa e diretora da Lia Rodrigues Companhia de Danças, Lia Rodrigues.

Lia é paulista, mas mora no Rio de Janeiro, foi criadora e diretora artística do Festival Panorama de Dança, com produções nacionais e internacionais de dança contemporânea, ex-bailarina, já conquistou o prêmio de melhor coreógrafa em 1993, conferido pela Funarte.

Dançou com a coreógrafa Maguy Marin, na França e, de volta ao Brasil, fundou sua companhia em 1990 que hoje tem um total de vinte e três pessoas, entre funcionários e bailarinos e vem se apresentando nos principais teatros e festivais do Brasil, Europa e Américas do Sul e do Norte.

No galpão de 1200 m², que estava totalmente abandonado, e que foi reformado, em parceria com a Redes de Desenvolvimento da Maré, para abrigar um centro cultural, localizado na favela Nova Holanda, Maré, onde vivem 144 mil habitantes, é onde Lia ensaia e onde desenvolve um projeto artístico pedagógico com aulas de dança gratuitas.

Para essas atividades a Lia Rodrigues Companhia de Danças conta com parcerias importantes: Petrobras e Teatro Jean Vilar de Vitry, na França.

Entre uma viagem, uma aula, uma reunião e tarefas de casa, Lia respondeu nossas perguntas por email.

Inteirativa: Como funciona seu Centro de Artes da Maré?

Lia: O Centro de Artes da Maré é uma parceria da Companhia com a Redes de Desenvolvimento da Maré. Encontramos um grande galpão, fechado por muitos anos, e desde janeiro deste ano estamos reformando e fazendo melhorias. É lá que a companhia ensaia todos os dias, dá aulas para a comunidade e é lá também que várias atividades da REDES acontecem. É um lugar de partilha, convivência e de troca de saberes, direcionado para a formação, criação, difusão e produção das artes.

Inteirativa: Por que vc escolheu esse local?

Lia: Para criar a possibilidade do encontro da dança contemporânea com pessoas que não tem nenhum acesso a essa forma de expressão. Em 2003, Silvia Soter (dramaturga da companhia há 7 anos) me apresentou o trabalho da REDES, na Maré. Desde então a Companhia vem realizando diferentes ações tanto artísticas quanto pedagógicas. Nesses tempos em que mais e mais muros e grades são construídos, fronteiras são impostas e rigorosamente defendidas, propomos fazer o movimento contrário. Propomos mergulhar nesse espaço. Conviver em contato com outra realidade e descobrir novas formas de compartilhar e criar. E a resposta se constrói no dia a dia.

Inteirativa: Qual o impacto desse trabalho na comunidade da Maré?

Lia: O projeto que a Companhia desenvolve busca, antes de tudo, a qualidade e não a quantidade. Desde 2008 contamos com a parceria da Petrobras para a manutenção da companhia e também para o desenvolvimento do projeto 'Dança para todos' onde oferecemos aulas de consciência corporal, dança contemporânea e dança criativa para crianças. Temos uma média de 70 alunos. A Companhia também tem, entre seus integrantes, jovens dessa comunidade que fizeram formação universitária em dança, e agora integram o nosso quadro de artistas - bailarinos.

Inteirativa: Como ele é divulgado lá fora?

Lia: A Companhia está fazendo 20 anos em 2010. Já apresentamos nossas criações em vários países e é sempre uma oportunidade para falarmos sobre o que fazemos e pensamos. Esse ano ganhamos mais um parceiro: a Fundação Prince Claus da Holanda.

Inteirativa: Vc acha que o público brasileiro já está mais habituado com a linguagem da dança contemporânea? Isso evoluiu?

Lia: O publico brasileiro nunca foi um problema. O problema é a falta de um programa efetivo e consistente, por parte das instituições federais, municipais e estaduais, para a dança aqui no Brasil.Editais não configuram um verdadeiro programa.

Inteirativa: Os críticos elogiam bastante o seu trabalho, como o público tem recebido?

Lia: Tenho criticas boas e ruins também. Faz parte e é super saudável a diferença de ponto de vista. A receptividade do publico é sempre generosa, mas isso não quer dizer que todos gostem do trabalho. O importante não é gostar ou não gostar, mas sim, entrar em contato com o que está acontecendo na cena e ser afetado por isso.

Inteirativa: Como é a preparação de seus bailarinos?

Lia:Trabalhamos de segunda a sexta das 9hs às 16h. Temos aulas de técnicas diversas, ensaiamos o repertório da companhia, trabalhamos em pesquisa e improvisação.

Inteirativa: Quais os temas que despertam seu interesse para a criação das suas coreografias?

Lia: Os mais diversos. Trabalhamos algumas vezes com encomendas. Isto é, somos convidados para criar um trabalho com um tema específico como foi o caso de uma coreografia para o projeto “Fábula de la Fontaine” ou “Hymnen” para o Ballet de Lorraine , ambos na França. Outras vezes é um caminho árduo descobrir o que desejamos e precisamos falar. E então, os temas são fruto de nossas conversas e improvisações, como “Aquilo de que somos feitos”, “Formas breves” e “Encarnado”.

Inteirativa: Qual seu próximo espetáculo no Brasil e no exterior?

Lia: Estamos preparando um novo trabalho para estrear na França em novembro desse ano e aqui no Brasil no inicio de 2010. Ainda estamos em processo de criação. É uma peça para 11 bailarinos.

Inteirativa: Você dança, produz, coreografa, administra a cia, os 3 filhos. Há tempo para vida pessoal? Relacionamentos?

Lia: Vou tentando equilibrar o tempo ... e acordo bem cedinho.


Fotos Leandro Pimentel,Tatiana Altberg e Sammi Landweer

10 comentários:

Soninha disse...

Angel

Genial! Maravilhoso!
E a edição com as fotos ficou linda mesmo.

Um abraço nosso na Lia pelo belo trabalho desenvolvido.

bjs

Anônimo disse...

Como é bom confirmar que temos brasileiros que nos dão orgulho. A Lia Rodrigues, que eu não conhecia, é um desses. Obrigado por me apresentar esse exemplo de profissional e cidadã.

Mariangela disse...

Lindo trabalho da Lia e ela continua lindinha.

Anônimo disse...

São pessoas assim que mudam a sociedade. Aqui e agora, com o que podem fazer. Não escalando montanhas no Malaui pra mudar a pobreza na África.

Anônimo disse...

Que maravilha, uma entrevista da Lia Rodrigues no "Inteirativa"!
O trabalho dessa artista é lindo,profundo, marcante, instigante, provocador...
Parabéns para a Lia e que ela continue a nos surpreender!
E quando o seu trabalho entra em cartaz no Rio,vou correndo para não perder.

Anônimo disse...

Grande ideia essa de entrevistar a Lia Rodrigues! Parabens ao Inteirativa, um Blog sempre preocupado em trazer assuntos variados e interessantes. Adorei!

Maria Lúcia Poyares disse...

Foi muito bom conhecer melhor o trabalho de Lia Rodrigues através dessa entrevista.
Que perseverança dessa menina!!!

Anônimo disse...

Amei,a entrevista com a Lia Rodrigues.
Ela tem um trabalho tão singular,profundo e de muita ousadia que só mesmo,aqueles artistas iluminados conseguem realizar.
Acabei visitando o site dela que é muito legal:www.liarodrigues.com.Vale a pena conferir.

Monica Fonseca disse...

Monica, adorei a matéria, a Lia e o que "move" seu trabalho. Bárbaro!

Mônica Angeleas disse...

Mensagem que recebi da Lia por email:

monica querida
fiquei feliz e comovida com essas mensagens!
mais uma vez super obrigada pela oportunidade de falar sobre meu trabalho.
beijos
lia