Dedicado às mulheres inteiras e ativas de todas as idades, cores e formas. Mulheres que interagem e abraçam a vida como der, puder e vier.
Sempre desejadas!








Protagonistas de um novo e sustentável mundo


05/06/09

Sônia Araripe
Editora de Plurale

Várias ONGs sérias, com belos trabalhos em defesa do meio ambiente, divulgaram protesto alertando que há pouco o que comemorar hoje, no Dia Mundial do Meio Ambiente. Leia mais aqui, em Plurale em site, que apresenta hoje, e nos próximos dias várias matérias especiais sobre o tema.

Sem dúvida, os ecologistas têm lá suas razões. Estão em discussão algumas mudanças que podem jogar por terra (literalmente) conquistas árduas. No entanto, houve - é preciso considerarmos - enormes avanços nesta seara. Leis aprovadas, regras severas para quem transgride ou não obedece. Rigor e multas para poluidores. E também no nosso dia-a-adia. Ninguém sentia culpa ao jogar óleo na pia da cozinha ou admitir que sacolas plásticas eram práticas e ainda serviam para jogar o lixo fora. Empresas, governos e pessoas incorporaram práticas relevantes. Mudaram a rotina e passaram realmente a se preocupar não só com a sua forma de produção, mas também com o planeta.

Não tem jeito: é preciso mudar, e rápido, as regras do jogo. Estivemos ontem em debate simpático promovido pela professora Bernadete Almeida (também colunista de Plurale) para alunos da ESPM-RJ, parte da Semana de Meio Ambiente. Muito interessante. Como parceiros da mesa redonda estavam lá o comunicador Luiz Gaulia, da Rebouças & Associados, um craque em comunicação empresarial voltada para a Sustentabilidade, com passagens em várias corporações. Também o consultor ambiental Anderson Nascimento, da Dinâmica da Terra.

Gaulia mostrou o estudo recente, divulgado pelo Greenpeace, alertando para empresas que, de alguma forma, podem estar contribuindo para o desmatamento da Amazônia. Você pode conferir este trabalho e as respostas das empresas em Plurale, clicando aqui. Eu falei sobre mídia e sustentabilidade. Mostrando o relevante trabalho feito pelos colegas - e também por Plurale em revista e em site - ao relatar este Brasil em transformação. Anderson, da Dinâmica, advertiu que as empresas devem cuidar do lado social e ambiental antes das crises. Até para ficar dentro do mercado. Financiamentos e contratos importantes hoje exigem estas práticas.

Tudo muito, tudo muito bem. Mas aí a estudante Flávia, com aquela generosa curiosidade e ansiedade de todo jovem inteligente, questionou: "Fico muito apreensiva. Seremos os publicitários deste novo planeta, em um novo modelo. E como comunicar se não será mais possível consumir da forma de hoje?"

Flávia, você está certíssima. Como está, não será mais possível. Porém, também não vamos todas nos descabelar e prometer que jamais entraremos de novo no shopping ou na internet para compras. Nem que a publicidade acabou. Não é isso. Temos que consumir. Temos que manter a roda se movimentando. Mas de forma sustentável. E tudo precisará girar em torno desta órbita. Também a publicidade. O casal pai-pai do anúncio do Nebacetin, como já foi apresentado aqui, é um belíssimo exemplo. Diversidade, respeito, e por aí vai. As professoras Bernadete e Patrícia Reis confirmaram que o desafio é mesmo imenso, mas, pode ser, sim, transposto.

Admirável novo mundo. Comprou um celular última geração? Recicle o velho. Dê para alguém ou devolva em local apropriado para que seja reciclado. Roupa nova? Dê alguma antiga. Saiba se a carne que você compra não vem de área de desmatamento e se o carro é realmente econômico e pouco poluente como a montadora indica na publicidade.

Há esperança. Claro que sim. Você, Flávia, como tantos outros jovens, inteligentes, sensíveis e antenados, inclusive os meus filhos, serão protagonistas e construtores deste novo planeta sustentável, que todos os dias manda S.O.S. Jovens de diferentes classes sociais e raças. Juntos, consolidando uma só rede. Devem se tornar pessoas mais solidárias, com ética e princípios firmes como devem ser. Voluntários onde for preciso e possível. Protagonistas de mudanças e defensores de boas práticas. A minha geração fez sua parte. Não sei se da forma e na intensidade que devia. Mas fez parte do trabalho. Agora é a vez de vocês! Boa sorte, Flávia!

3 comentários:

Cucchiaio pieno disse...

Infelismente as pessoas nao tem consciencia do quanto maltratam o nosso planeta! Aqui na Italia o lixo é seletivo, na minha casa temos lixeira para papel, plastico, aluminio, e lixo normal (cozinha, banheiro). Vou ao supermercado e levo minhas proprias sacolas - tem alguns supermercados que tem sacolinhas que ajudam o meio ambiente. Em todos supermercados as sacolas sao cobradas e isso faz com que as pessoas economizem. Gostei muito deste post! Abraços fraternais.
Léia

Ana Cecília Vidaurre disse...

Son, muito bacana.
Depois de ler esse texto, fui lá na gaveta, peguei e dei celulares antigos e aquela quantidade de fio, carregador...
pra quê guardar isso, meu Deus?
A cada ano as pessoas ganham um celular da operadora naquelas promoções, imagina o q fazem com os antigos??
Vãobora, reciclem isso!!
bjos,

Maria Lúcia Poyares disse...

Ana Cecilia, vou fazer tambem uma limpa nas gavetas.Cada um fazendo sua parte vai melhorar.