Dedicado às mulheres inteiras e ativas de todas as idades, cores e formas. Mulheres que interagem e abraçam a vida como der, puder e vier.
Sempre desejadas!








MAYSA, simplesmente MAYSA

Vivi intensamente a geração MAYSA, embalada pelos mesmos sonhos e sofrendo os mesmos desencantos, onde suas canções eram nosso refúgio secreto. No ano de 1951 quando Maysa explodiu com seu comportamento nada convencional, nós, mulheres apesar de já termos conquistado a independência para exercer tarefas fora de casa ainda mentíamos atitudes submissas em relação ao amor.
MAYSA, cantora visceral, com a paixão estampada no olhar, quebrando tabus comportamentais, incentivou, tenho certeza, muitas mulheres nesse Brasil afora.
Foi a época de Luz del Fuego, nua e enrolada em uma cobra na famosa Ilha do Sol, de sua propriedade onde a nudez era exigida.
E Leila Diniz defendendo o amor livre?
Outras e outras, muitas anônimas brotavam.
Partíamos para a luta contra a submissão!!!
Em vista de todo esse meu entusiasmo, em reviver aqueles momentos, querida Soninha, o que comentar?
Exceto alguns deslizes da direção, como a morosidade nas cenas, o consumo excessivo do cigarro, o close repetitivo do olhar de MAYSA e outras coisinhas mais, considero a minissérie um sucesso.

2 comentários:

Ana Cecília disse...

Maria Lúcia, que bacana saber disso tudo. E que bom poder conhecer uma mulher que colaborou de certa forma com o nosso modo de enxergar o mundo de hoje!!
Às vezes é preciso de muito excesso para conhecermos o equilíbrio ideal.
bjos, Ana Cecília

Anita disse...

Vou adquirir o DVD para ver aqui na Holanda...