Dedicado às mulheres inteiras e ativas de todas as idades, cores e formas. Mulheres que interagem e abraçam a vida como der, puder e vier.
Sempre desejadas!








outubro 12, 2010

PROPOSTA AOS PARTIDOS POLÍTICOS E RELIGIOSOS – ADOTEM AS CRIANÇAS DESDE A GESTAÇÃO

Publicado em por midiacrucis

Aos partidos políticos e religiosos do Brasil que são contra o aborto:

As diversas religiões do país contrárias ao aborto e os membros do PSDB deveriam tomar para si a responsabilidade de dar apoio financeiro e psicológico às mães gestantes e de criar e manter até a faculdade todas as criança nascidas por exigência da Lei feita por homens e mulheres que entendem o aborto como crime.

Manutenção financeira feita pelos membros do PSDB e dos partidos coligados, do partido do PSDB e coligados e dos dízimos recebidos pelos pastores e padres das igrejas e templos que fervilham país afora. Essas mesmas igrejas e partidos, membros das diversas ordens religiosas e partidos politicos, poderiam criar creches para acolher as crianças.

********

2005

O estudo mostra também que o aborto é uma das principais causas da mortalidade materna. E afirma que as regiões que mais sofrem com o problema são o Norte e o Nordeste.

De acordo com o Ipas, de 2000 a 2004, ocorreram 697 mortes em conseqüência de gravidez que termina em aborto, principalmente de mulheres com idade entre 20 e 29 anos (323 óbitos no período).

Grupos de idade
Óbitos por aborto (2000 a 2004)

10 a 19 anos 119
20 a 29 anos 323
30 a 39 anos 219
40 a 49 anos 36
Total (10 a 49 anos) 697

leia mais: Estudo ONG abortos

NÓS FIZEMOS ABORTO”

Fonte: Veja 17/09/97

Mulheres de três gerações enfrentam a lei, o medo
e o preconceito e revelam suas experiências

Andréa Barros, Angélica Santa Cruz e Neuza Sanches


Tata Amaral, cineasta

Cássia Kiss, atriz

Edna Roland, psicóloga

Cissa Guimarães, atriz

Ruth Escobar, empresária, e a mãe, Marília

Elba Ramalho, cantora

Marli Medeiros, líder comunitária

Marília Gabriela, jornalista

Maria Adelaide Amaral, escritora

ELAS RESOLVERAM FALAR. Quebrando o muro de silêncio que sempre cercou o aborto, oito dezenas de mulheres procuradas por VEJA decidiram contar como aconteceu, quando, por quê. Falaram atrizes, cantoras, intelectuais mas também operárias, domésticas, donas de casa. Falaram de angústia, de culpa, de dor e de solidão. Também falaram de clínicas mal equipadas, de médicos sem escrúpulos, de enfermeiras sem preparo, de maridos e namorados ausentes. A apresentadora Hebe Camargo contou que, quando era uma jovem de 18 anos, ficou grávida do primeiro namorado e foi parar nas mãos de uma curiosa que fez a cirurgia sem anestesia nem cuidado. A atriz Aracy Balabanian, a Cassandra do Sai de Baixo, ficou grávida quando estava chegando aos 40 anos e dando fim a um longo relacionamento. Resolveu fazer o aborto, convencida de que a criança não teria um bom pai nem ela seria capaz de criá-la sozinha. Metalúrgica da Força Sindical, a mineira Nair Goulart, 45 anos, fez dois abortos nos anos 70 por motivos econômicos. Ela e o marido, também operário, ganhavam pouco, viviam num quarto de despejo e não teriam meios de educar nenhum filho.

Quando o Congresso brasileiro debate a regulamentação de uma legislação que autoriza a realização de aborto apenas em caso de estupro e de risco de vida para a mãe como está previsto no Código Penal desde 1940 , a disposição das mulheres que falaram a VEJA não é apenas oportuna, mas também corajosa. Embora o 1º Tribunal do Júri de São Paulo, o maior do país, já tenha completado mais de uma década sem condenar nenhuma mulher em função do aborto, a legislação estabelece para esses casos penas que vão de um a três anos de prisão. E a maioria delas não fez aborto pelos motivos previstos em lei, mas porque, cada uma em seu momento, cada uma com sua história pessoal, considerou as circunstâncias e concluiu que interromper a gravidez era uma saída menos dolorosa do que ter um filho que não poderia criar.


Nair Goulart, metalúrgica

Vera Gimenez, atriz

Ivonete da Silva, faxineira

Arlete Salles, atriz

Tereza Rachel, atriz

Vânia Toledo, fotógrafa

Aracy Balabanian, atriz

Angela da Silva, doméstica

Cláudia Alencar, atriz

Cynthia Sarti, antropóloga

Zezé Polessa, atriz
Fonte: MídiaCrusis

3 comentários:

Anita disse...

Otimo post. O Brasil e' um pais machista, com leis incompletas feitas por homens alienados. Mas as mulheres precisam estar mais presentes como legisladoras e nao apenas brilhar nas artes/midia.

Maria Lúcia Poyares disse...

Muito oportuno o post e, como Anita, acho que nós, mulheres de todas as classes sociais, deveríamos estar mais atuantes politicamente.

rogeriorleal disse...

Maravilhosos argumentos, parabéns!