Dedicado às mulheres inteiras e ativas de todas as idades, cores e formas. Mulheres que interagem e abraçam a vida como der, puder e vier.
Sempre desejadas!








setembro 08, 2009

POEMA CURTO DE EMOÇÃO GRANDE

Cláudia Alencar

Saudades não se mata.

Nem ela mata a gente.

Ela fica num canto quieta

e de repente salta certa.

Aí a gente sente.

Saudade é o amor acrobata.

2 comentários:

Maria Lúcia Poyares disse...

Claudia, esse poema tão lindo me fez lembrar de minha infância: "
saudade palavra doce, que traduz tanto amargor,saudade é como se fosse espinho cheirando a flor..."

Mariangela disse...

sentido e bem traduzido Claudia.