Dedicado às mulheres inteiras e ativas de todas as idades, cores e formas. Mulheres que interagem e abraçam a vida como der, puder e vier.
Sempre desejadas!








julho 09, 2008

UM ANÔNIMO DISSE......

Quero discordar do comentário de “um anônimo”, no texto escrito sobre Amy Winehouse abaixo transcrito:
“A cantora em questão ganhou todos os Grammys de 2008, portanto descobri-la agora não me parece muito apropriado para uma jornalista. Quanto a ser frágil puro engano novamente”.
Cara Anônima, você não entendeu que a jornalista estava falando de emoção? Quando ela diz que “descobriu” (entre aspas) a cantora, entendi que ela queria nos dizer que já conhecia a artista, mas agora ela havia sido “tocada” pelas suas canções.
Ela não estava tentando, no meu entender, biografar a cantora, e sim nos transmitir sua emoção ao constatar a volta triunfante ao palco, após vencer tantos obstáculos, inclusive com drogas.
Cara anônima, ao ler no texto “corpo frágil”, não me passou pela mente nenhum outro tipo de fragilidade.
Entendo que “corpo frágil” é bem diferente de temperamento frágil, determinação, garra, etc...elementos que não faltaram à cantora, tanto que a jornalista, com muita sensibilidade, percebeu e fez votos que esta força continue latente nessa mulher que tanto nos encanta.
Se todos entendessem como você... cara anônima, o que seria das mulheres magras?

Um comentário:

Mariangela Buchala disse...

oi mulheres inteirativas...que bom que o comentário foi esclarecido...talvez a leitora tenha interpretado de outra forma...mas que bom que estamos "inteirativamente" presentes...e vamos ouvir Amy Winehouse que é o máximo! e vale ser descoberta em qualquer tempo pois música é magia e descobrimos novas sensações cada vez que ouvimos, mesmo que seja a mesma música...eu sinto assim. bjs a todas